Manifesto Contra a Política de Segurança Pública do Rio de Janeiro

Manifesto público

get

 

Contra o “revide” da Segurança Pública do Rio de Janeiro



As operações policiais que estão sendo realizadas pela polícia do Rio de Janeiro desde o dia 17 de outubro, após a queda de um helicóptero no morro São João, no Engenho Novo, próximo ao Morro dos Macacos, já têm um saldo de mais de 40 pessoas mortas e um número desconhecido de feridos. É o resultado evidente de uma política de segurança pública baseada no extermínio e na criminalização da pobreza, que desconsidera a vida humana e coloca os agentes policiais em situação de extrema vulnerabilidade.

A lamentável queda do helicóptero e a morte dos três policiais não pode servir como mais um pretexto para ações que, na prática, significam apenas mais violência para os moradores das comunidades atingidas e mais exposição à vida dos policiais. Ao se utilizar do terror causado pelo episódio para legitimar ações que violam a lei e os direitos humanos, o Estado se vale de um sentimento de vingança inaceitável. Em outras palavras, aproveitando-se da sensação de medo generalizada, o governo de Sérgio Cabral oculta mais facilmente as arbitrariedades e violações perpetradas nas favelas, como o fechamento do comércio, de postos de saúde e de escolas e creches – além, é claro, das pessoas feridas e das dezenas de mortos.

A sociedade carioca não pode mais aceitar uma política de segurança pautada pelo processo de criminalização da pobreza e de desrespeito aos direitos humanos. Definitivamente, não é possível jogar com as vidas como faz o Estado contra os trabalhadores – em especial os pobres, os negros e os moradores de favela – utilizando-se como desculpa a chamada “guerra contra as drogas”.

As organizações da sociedade civil, movimentos sociais, professores da rede pública e outros preocupados com a situação que há cerca de uma semana mobiliza o Rio de Janeiro se uniram para exigir o fim das incursões policiais baseadas na lógica do extermínio e a divulgação na íntegra da identidade dos mortos em conseqüência dessas ações. Até o fim da semana, o coletivo fará visitas às comunidades atingidas e se reunirá com moradores para ouvir relatos relacionados à violência dos últimos dias. Na quinta-feira, dia 5 de novembro, haverá um ato em frente à Secretaria de Segurança Pública, no Centro do Rio.

Rio de Janeiro, 27 de outubro de 2009


Justiça Global

CRP – Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro

SEPE – Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação

DDH – Defensores de Direitos Humanos

Grupo Tortura Nunca Mais

CDDH – Centro de defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis

Central de Movimentos Populares

Projeto Legal

Rede de Comunidades e Movimentos Contra a Violência

Centro de Assessoria Jurídica Popular Mariana Criola

PACS – Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul

MNLM – Movimento Nacional de Luta pela Moradia

Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo

Mandato do Deputado Federal Chico Alencar

Mandato do Vereador Eliomar Coelho

DPQ – Movimento Direito Pra Quem?

Fazendo Média

NPC – Núcleo Piratininga de Comunicação

Agência Pulsar Brasil

Revista Vírus Planetário

ENECOS – Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social

AMARC – Associação Mundial das Rádios Comunitárias

APN – Agência Petroleira de Notícias

O Cidadão – Jornal da Maré

ANF – Agência de Notícias das Favelas

Coletivo Lutarmada Hip-hop

Bloco Se Benze que Dá! – Maré

Sindipetro/RJ – Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro

Conlutas

Intersindical

Círculo Palmarino

Fórum 20 de Novembro

Criola

ACQUILERJ – Associação das Comundiades Quilombolas do Estado do Rio de Janeiro

PROEALC-CCS/UERJ – Programa de Estudos de América Latina e Caribe

Projeto Políticas Públicas de Saúde – FSS/UERJ

Forum de Saúde do Rio de Janeiro

Coletivo Desentorpecer a Razão

Centro de Direitos Humanos Dom Adriano Hypolito da Diocese de Nova Iguaçu

IECERJ – Instituto de Estudos Criminais do Estado do Rio de Janeiro

Conectas Direitos Humanos

Núcleo Margens – Modos de Vida, Família e Relações de Gênero – CFH/UFSC

APROPUC-SP – Associação dos Professores da PUC-SP

Beltrame

Anúncios

3 Comentários

  1. 29 de outubro de 2009 às 16:04

    “Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem”
    (Romanos 12:21 – NVI)

    Método e motivações erradas, resultados péssimos…

  2. Adney Silva said,

    4 de novembro de 2009 às 20:53

    Fala, Fábio.

    Estou entrando no seu blog para comunicar que agora o nosso projeto finalmente têm o seu blog:

    http://www.hydradeiguassu.wordpress.com

    Inclusive já inserimos o seu blog nos blogs recomendados.

    Ainda está no começo, por isso temos poucas coisas publicadas lá. Mas, em todo o caso, dá uma passada lá e depois me fala o que achou.

  3. 4 de novembro de 2009 às 21:10

    […] Manifesto Contra a Política de Segurança Pública – Blog do Fábio Pereira […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: