Cada dia uma agonia nos transportes em Duque de Caxias

09/02/2012, ponto final do Caxias-Parque Eldorado

 

Foto: Fabio Pereira

Essa linha tem um único ônibus circulando, ou seja, sai de hora em hora do ponto final.

Foto: Fabio Pereira.

Ontem, muitas pessoas esperavam na grande fila e já estavam a cerca de 2 horas esperando um ônibus sair, embaixo de um sol escaldante.

Perguntei ao fiscal qual era o problema, já que ter ônibus apenas de hora em hora já era um escândalo.

Ele me respondeu que não tinha motorista. Dai, perguntei novamente para ele se aqueles 2 ônibus ali parados vieram de reboque. O fiscal calou-se, nem se importou com minhas reclamações. Ele sabe que nessa cidade o governo é frouxo pra peitá-los.

10/02/2012, no Engenho do Porto

Foto: Fabio Pereira.

Um ônibus quebrou e os passageiros foram obrigados a esperar um outro.

Além de cobrar um valor de passagem absurdo para andar uma pequena distância, ainda colocam ônibus ruins, barulhentos e obrigando os trabalhadores, já cansados de suas rotinas e tarde da noite, a penar ainda mais. Eles fazem isso nessa cidade porque sabem que o governo é frouxo pra peitá-los.

Anúncios

Passageiros de Duque de Caxias reclamam do preço dos ônibus municipais

RJ-TV da Globo pauta luta contra aumento das passagens em Duque de Caxias:

Tem linha que cobra um valor mais caro dentro do município do que para a Central do Brasil. O gasto no transporte público pesa no bolso da população. Além disso, muito veículos estão com pneus carecas e mau conservados.  A matéria foi exibida no RJ-TV, 1ª edição, de 17/01/2012.

Passageiros reclamam de reajuste de ônibus em Caxias

Matéria publicada no Jornal O Extra, 10/01/2011, pág.04.

‘A Prefeitura Duque de Caxias informou que as solicitações no abaixo-assinado devem ser discutidas entre a Câmara Municipal, associações de moradores, líderes políticos e representantes do setor de transporte coletivo da cidade. Sobre o aumento das tarifas municipais, a prefeitura disse que é automático (sic) e autorizado pela Câmara Municipal para todo início de ano’. [Trecho da matéria do Jornal O Extra de ontem, 10/01/2012, pág 04].
Engraçado, para decidir o aumento automático(!) das passagens não é preciso esse trâmite democrático de discutir com diversos setores da sociedade, mas para decidir sobre tarifa única, bilhete único, planilha de custos dos empresários abertas aos usuários, fiscalização da prefeitura, qualidade dos serviços prestados, horários, e gratuidades, daí vale chamar ‘Deus e mundo’ como responsáveis. E que história é essa de aumento automático que foi autorizado pela Câmara Municipal para todo início de ano, hein, vereadores?

Movimento entrega 25 mil assinaturas contra o aumento das passagens de ônibus em Duque de Caxias

Membros do Movimento Caxias de Cara Nova entregam cerca de 25.000 assinaturas contra o aumento das passagens em Duque de Caxias. Fotos: Wesley Teixeira.

Integrantes do Movimento Caxias de Cara Nova entregaram à Prefeitura de Duque de Caxias cerca de 25.000 assinaturas contra o aumento das passagens na cidade. A mobilização aconteceu nessa terça-feira (13/12), na sede da Prefeitura. O grupo foi recebido por Jayme Baptista, secretário especial do prefeito José Camilo Zito. Durante a reunião, na presença de integrantes do movimento, os manifestantes solicitaram que fosse transmitida ao prefeito a insatisfação popular com os sucessivos aumentos anuais de tarifa. Afirmaram que Zito deve interromper esse processo em 2012, além de atender a outras reivindicações emergenciais para melhoria do transporte público em Duque de Caxias.
Fabio Pereira, professor e coordenador do movimento, explica que o ciclo de recolhimento de assinaturas durou quase um ano, iniciado em janeiro desse ano, “foi uma árdua tarefa, mas também edificante”.
Enquanto os cariocas pagam R$ 2,50 no Bilhete Único para viajar em dois ônibus num intervalo de até duas horas entre cada embarque, os passageiros de Duque de Caxias continuam pagando as tarifas mais caras da Região Metropolitana, mesmo numa linha com menos de 10 km, como é o caso da linha “Centenário/Hospital Infantil”, no primeiro Distrito. O preço da passagem mais barata subiu novamente sem qualquer justificativa, no início desse ano, de R$ 2,35 para R$ 2,50. Existem moradores na cidade que chegam a pagar até R$ 4,35 em uma linha municipal com percurso menor que muitas linhas do Rio.
Enquanto isso, passageiros da Zona Oeste do Rio, por exemplo, têm direito a uma segunda passagem com o bilhete único para qualquer outro destino, pagando apenas uma tarifa. Além da diferença do valor cobrado por passageiro/quilômetro, as pessoas são obrigadas a viajar em ônibus superlotados, sem horário regular, com janelas quebradas e bancos rasgados, sem qualquer conforto, como se fosse gado a caminho do matadouro. “O transporte público em Duque de Caxias está completamente entregue aos empresários do setor, desde a fiscalização de horários e condições dos ônibus, até a decisão sobre o aumento das passagens. Não existe uma presença decisiva da prefeitura, muito menos a população é ouvida. É a raposa tomando conta do galinheiro”, enfatiza Fabio Pereira.
Pela visão do Movimento Caxias de Cara Nova, essa significativa parcela da população que aderiu ao abaixo assinado representa o sentimento da maioria do povo duque caxiense. Nesse período foram ouvidas desde críticas à ausência do poder público na fiscalização até sugestões. A pauta de reivindicações foi encaminhada ao prefeito da cidade:
> Preço justo da passagem com audiência pública e debate em cima das planilhas de custos dos empresários e análise de técnicos isentos ao empresariado;
> TARIFA ÚNICA e BILHETE ÚNICO municipal em Duque de Caxias;
> Regularidade e ampliação dos horários dos ônibus;
> Fiscalização da Prefeitura nas linhas municipais;
> Qualidade nos ônibus e na condução dos motoristas;
> Respeito ao direito dos idosos, dos deficientes e dos estudantes.
> Fim dos motoristas que acumulam a função de trocador, gerando insegurança aos passageiros e desemprego pelo supressão de um trabalhador.
Caso não haja sensibilidade do prefeito com a melhoria do transporte público na cidade, através da liberação de qualquer valor de aumento de passagem na cidade, o Movimento Caxias de Cara Nova promete ampliar as mobilizações e buscar outras entidades para fortalecer a luta.

Fotos: Wesley Teixeira

Representante do prefeito de Duque de Caxias recebe alguns membros do Movimento Caxias de Cara Nova.

Momento da entrega as assinaturas contra o aumento das passagens de ônibus em Duque de Caxias.

Educação de Qualidade com salas Superlotadas?

Prefeitura descumpre acordo de data-base, inventa desculpas e quer fazer economia aumentando o trabalho dos profissionais da educação:

Como se não bastassem as várias tarefas para fechar o ano letivo, nas últimas semanas os profissionais da educação de Duque de Caxias estão enfrentando mais um ataque da administração Zito à educação pública municipal: a ampliação do número de alunos por turma. Alegando problemas legais e pressões do governo federal, a SME enviou para as escolas uma resolução de matrículas ” que autoriza o funcionamento de turmas de até 40 alunos e retirava a conquista da redução do quantitativo em caso de aluno incluso. Para denunciar este absurdo e tentar reverter este ataque, mais de 60% das escolas paralisaram suas atividades e cerca de 600 profissionais realizaram uma passeata pelo centro da cidade no último dia 23 de novembro. Duas reuniões foram realizadas. Na primeira, a equipe da SME (a Secretária Roberta estava entregando “presentes” nas escolas) não conseguiu disfarçar o constrangimento de tentar explicar uma medida que vai contra qualquer concepção pedagógica séria: aumentar o número de alunos como forma de combater a evasão escolar (como afirmava o comunicado da própria SME). As subsecretárias apelaram então para a retórica: mesmo que a lei permita, a realidade não será assim. Deve ser a primeira vez na história do Brasil que um governo estabelece uma regra pior do que a realidade e tenta convencer que as coisas vão melhorar. A pergunta que cada um de nós deve fazer é a seguinte: se não há desejo de aumentar o número de alunos por turma, porque alterar a regra?
Cabe esclarecer que todos os argumentos utilizados pela SME foram derrubados: não existe determinação do Educacenso, Fundeb ou de qualquer órgão do MEC sobre número mínimo de alunos por turma e a reunião do Conselho Municipal de Educação do dia 24/11 poderia ter “legalizado” uma resolução de matrícula que respeitasse os acordos feitos até então. E o CME não o fez justamente porque todos os membros da SME votaram a favor da nova resolução que estabelece até 40 alunos em sala. Isso prova que aumentar o número de alunos por turma foi (e é) uma OPÇÃO POLÍTICA E ECONÔMICA da administração Zito e você, professor, é quem vai pagar o pato.
Comissão de Educação convoca Secretária:
Outra reunião ocorrida no dia da paralisação envolveu os vereadores da Comissão de Educação da Câmara de Vereadores. Diante do exposto pelo sindicato, a Comissão resolveu aprovar a convocação da Professora Roberta Barreto para uma audiência pública na Câmara para dar explicações sobre esta medida desastrosa para a população de Duque de Caxias. É mais do que fundamental que todos os profissionais que puderem estejam nesta audiência para protestar, cobrar e pressionar a prefeitura a revogar esta medida e voltar atrás. É a qualidade do nosso trabalho que está em jogo! Acontecerá dia 14 de dezembro, às 17 horas.

O que está em jogo: seu trabalho X economia de recursos em ano eleitoral:


A prefeitura não tem mais como esconder: depois de passar um ano inteiro enrolando para realizar o concurso da educação, agora tenta diminuir a necessidade de professores (de salas e de escolas), aumentando a quantidade de alunos em cada turma, mesmo que isso signifique piorar a qualidade da educação das crianças e jovens de nossa cidade. Colocando cinco alunos a mais em cada turma, o governo pode contratar menos professores, construir menos salas e menos escolas, sobrando dinheiro para reformar praças e fazer propaganda dizendo que ampliou as vagas na rede municipal. E a SME ainda quer que treinemos os alunos para fazer a prova Brasil para que o município fique bem na fita! Não se deixe enganar!
Saiba como votaram os membros do Conselho Municipal de Educação:
A principal desculpa da SME para aumentar o número de alunos por turma na rede era que a última resolução de matrícula aprovada pelo Conselho Municipal de Educação (CME) havia sido votada em 2005 e que, portanto, era esta resolução que estava legalmente valendo. Pois bem, no dia 24 de novembro, por iniciativa da representante do SEPE, o CME pautou esta questão e poderia ter aprovado uma nova resolução que contemplasse as negociações das datas-base entre 2006 e 2010. Mas, nesta reunião caiu a máscara da SME, pois todos os seus representantes votaram para aumentar o número de alunos em turma. Vejam como votaram os conselheiros:

A favor

do aumento o número de alunos em 2012:
Ângela Lomeu – SME
Fabrício Gaspar Rodrigues – SME/Sec.Governo
Rogéria de Lima Pedra – SME
Sonia Pegoral – SME
Leila T. S. Fardim- Diretora da Escola M. Eulina Pinto (indicada pela SME)
Erick Lima – UEDC
Janete S. Reis – SINPRO Baixada
Sandra Amorin – Metro V (Gov Estadual)

A favor da manutenção do quantitativo que vigorou em 2011:
Carla Couto – SEPE
Arilson M. Sá – MUB (Ass. de Moradores)
Sidney C. Neves – APAEP (Pais e Amigos da Escola Pública)


É preciso se preparar: outros ataques (e outras lutas) virão!
Diante deste quadro, o que podemos esperar para essa rede no ano que vem? Como será o calendário letivo para 2012? Teremos tempo suficiente para a realização do planejamento anual, preenchimento de relatórios e para as reuniões pedagógicas ao longo do ano? Ou só seremos cobrados para que as escolas obtenham resultados em avaliações externas, como Prova Caxias e Prova Brasil, que são utilizadas para rankear, classificar, comparar e culpabilizar a escola e os profissionais pelo fracasso da educação? Enquanto falta quase tudo nas escolas, enquanto os profissionais compram materiais para trabalhar, enquanto as escolas fazem “vaquinha” e “brechó” para ter água potável e um trocadinho para os pequenos reparos do dia a dia, o prefeito e a secretária visitam as unidades escolares distribuindo brinquedos aos alunos da rede, afirmando que as medidas adotadas pela secretaria de educação visam a busca pela qualidade no ensino. Você acredita?
Enquanto não houver investimento real na infra-estrutura das escolas e nos recursos pedagógicos necessários e indispensáveis para que aconteça uma educação de qualidade, incluindo um quantitativo de alunos adequado à realidade das escolas, o discurso desse governo só pode ser classificado como politicagem com a educação! O projeto educacional construido pela sociedade duquecaxiense é o Plano Municipal de Educação que a prefeitura engavetou e se recusa a enviar para a Câmara. O Sepe e os profissionais da Educação deste município continuarão denunciando nas praças, nas ruas, e no diálogo com os pais e com a população a realidade que vivenciamos cotidianamente nas nossas escolas!

TODOS À CÂMARA DE VEREADORES, NO DIA: 14 DE DEZEMBRO DE 2011 ÀS 17 h PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA COM A SECRETÁRIA ROBERTA! É HORA DE PROTESTAR, DENUNCIAR E COBRAR!

      REDE DE EDUCADORES

SEPE – D. CAXIAS

Tel.: 2671-1709


Educação: a qualidade é um direito!

Para o debate crescer precisa de você!

Começamos com o debate sobre Reforma Política – que foi um sucesso! – e continuaremos o ciclo de debates para aprofundar os temas mais importantes para formular um programa de transformação para Duque de Caxias. Na próxima terça, 06/07, será EDUCAÇÃO: a qualidade é um direito! às 19h, no SEPE-Caxias. O nosso convidado é o professor Tarcísio Motta, que é diretor do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação, o SEPE, e leciona no Colégio Pedro II. Como o próprio chamado ao debate já sugere, a qualidade da educação será o nosso eixo de reflexão, pensando em como melhorar o ensino em nossa cidade.

Para o debate crescer e florescer, precisa de você!